Warning: this is an htmlized version!
The original is across this link,
and the conversion rules are here.
% (find-angg "LATEX/2011-rel-est-prob-3.tex")
% (find-dn4ex "edrx08.sty")
% (find-angg ".emacs.templates" "s2008a")
% (defun c () (interactive) (find-zsh "cd ~/LATEX/ && ~/dednat4/dednat41 2011-rel-est-prob-3.tex && latex    2011-rel-est-prob-3.tex"))
% (defun c () (interactive) (find-zsh "cd ~/LATEX/ && ~/dednat4/dednat41 2011-rel-est-prob-3.tex && pdflatex 2011-rel-est-prob-3.tex"))
% (defun c () (interactive) (find-zsh "cd ~/LATEX/ && latex    2011-rel-est-prob-3.tex"))
% (defun c () (interactive) (find-zsh "cd ~/LATEX/ && pdflatex 2011-rel-est-prob-3.tex"))
% (eev "cd ~/LATEX/ && Scp 2011-rel-est-prob-3.{dvi,pdf} edrx@angg.twu.net:slow_html/LATEX/")
% (defun d () (interactive) (find-dvipage "~/LATEX/2011-rel-est-prob-3.dvi"))
% (find-dvipage "~/LATEX/2011-rel-est-prob-3.dvi")
% (find-pspage  "~/LATEX/2011-rel-est-prob-3.ps")
% (find-pspage  "~/LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf")
% (find-xpdfpage "~/LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf")
% (find-zsh0 "cd ~/LATEX/ && dvipdf         2011-rel-est-prob-3.dvi 2011-rel-est-prob-3.pdf")
% (find-zsh0 "cd ~/LATEX/ && dvips -D 300 -o 2011-rel-est-prob-3.ps 2011-rel-est-prob-3.dvi")
% (find-zsh0 "cd ~/LATEX/ && dvips -D 600 -P pk -o 2011-rel-est-prob-3.ps 2011-rel-est-prob-3.dvi && ps2pdf 2011-rel-est-prob-3.ps 2011-rel-est-prob-3.pdf")
% (find-zsh0 "cd ~/LATEX/ && dvips -D 300 -o tmp.ps tmp.dvi")
% (find-pspage  "~/LATEX/tmp.ps")
% (ee-cp "~/LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf" (ee-twupfile "LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf") 'over)
% (ee-cp "~/LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf" (ee-twusfile "LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf") 'over)
% (find-twusfile     "LATEX/" "2011-rel-est-prob-3")
% http://angg.twu.net/LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf
%   file:///home/edrx/LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf

%\documentclass[oneside]{book}
\documentclass[oneside]{article}
\usepackage[latin1]{inputenc}
\usepackage[colorlinks]{hyperref} % (find-es "tex" "hyperref")
\usepackage{breakurl}
\usepackage{edrx08}       % (find-dn4ex "edrx08.sty")
%L process "edrx08.sty"  -- (find-dn4ex "edrx08.sty")
%\input edrxheadfoot.tex  % (find-dn4ex "edrxheadfoot.tex")
\begin{document}

% \input 2011-rel-est-prob-3.dnt



\title{%
	3º Relatório de Estágio Probatório\\
        (25º ao 32º mês de atividades)
}

\author{%
	Prof.\ Eduardo Nahum Ochs\\
	Matr.\ SIAPE 1669224\\
	RCT (Depto.\ de Física e Matemática) /\\
	RIC (Instituto de Ciência e Tecnologia) /\\
	PURO (Pólo Universitário de Rio das Ostras) /\\
	UFF (Universidade Federal Fluminense)%
}

\date{}
% \date{2011sep11}

\maketitle

De acordo com a resolução 219/2005 do Conselho de Ensino e Pesquisa da
UFF, cada professor em estágio probatório deve apresentar três {\sl
  Relatórios de Estágio Probatório}: o primeiro correspondente às
atividades do 1º ao 12º mês, o segundo às do 13º ao 24º mês, e o
terceiro às do 25º ao 32º mês. Este documento descreve as atividades
do professor Eduardo Nahum Ochs, matrícula SIAPE 1669224, do 25º ao
32º mês após a data de início do exercício de atividades na UFF ---
isto é, no período de 12/jan/2011 a 11/set/2011.

Este documento está escrito em primeira pessoa. Ao invés de escrever
``o professor Eduardo Ochs'', ``o professor'', etc., escreverei
simplesmente ``eu''.

Uma versão online deste documento, com links funcionais, pode ser
encontrada em:

\url{http://angg.twu.net/LATEX/2011-rel-est-prob-3.pdf}

%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

\section{Ensino}
\label{ensino}

Em 2011 ministrei as seguintes disciplinas: Matemática Discreta (tanto
em 2011.1 quanto em 2010.2) e Geometria Analítica (idem). Mais
detalhes sobre elas podem ser obtidos nos links abaixo:

\par \url{http://angg.twu.net/2011.1-GA.html}
\par \url{http://angg.twu.net/2011.1-MD.html}
\par \url{http://angg.twu.net/2011.2-GA.html}
\par \url{http://angg.twu.net/2011.2-MD.html}

Os alunos de Geometria Analítica de 2011.1 --- uma turma de repetentes
--- tinham uma dificuldade enorme para saber {\sl como} escrever as
respostas dos problemas nas provas de forma clara e completa o
suficiente; ao longo do semestre eu fui preparando uma série de
``regras'' que deveriam ser seguidas:

\par \url{http://angg.twu.net/LATEX/2011-1-GA-regras.pdf}

Agora estou utilizando-as em ambas as minhas disciplinas, com
excelentes resultados.


%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

\section{Orientações}
\label{orientacoes}

Estou orientando a monitora de Matemática Discreta (Gabriela Queiroz
de Ávila, matrícula 11060030), inclusive no trabalho que ela está
preparando para apresentar na Semana de Monitoria --- um avaliador de
expressões de Matemática Discreta (que inicialmente deve suportar
somente uma sintaxe em RPN).


%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

\section{Pesquisa}
\label{pesquisa}

Em maio de 2011 participei do XVI EBL (16º Encontro Brasileiro de
Lógica), em Petrópolis, apresentando um trabalho intitulado ``Sheaves
on finite DAGs may be archetypal''. Maiores informações em:

\par \url{http://angg.twu.net/math-b.html#sheaves-on-zdags}
% (find-TH "math-b" "sheaves-on-zdags")

Este trabalho --- que ainda não gerou um artigo em forma final ---
corresponde a uma adaptação de algumas das idéias do meu projeto de
pesquisa para as nossas condições atuais de pesquisa e de ensino.
Todos os modelos concretos interessantes para Geometria Diferencial
Sintética --- ``universos com infinitesimais nilpotentes'' ---
precisam de feixes (``sheaves'') para serem construídos. A definição
usual de ``feixe'' é geral, abstrata e bastante difícil. O artigo que
terminei e submeti em 2010 --- ``Internal Diagrams in Category
Theory'' --- mostra {\sl precisamente} como podemos entender certos
tipos de conceitos gerais a partir de casos concretos com certas
características (``casos arquetipais''). Este artigo sobre ``sheaves
on finite DAGs'' mostra um ``caso arquetipal'' para feixes que é
compreensível até por estudantes de primeiros períodos, e aplicando as
técnicas do artigo de 2010 a este caso podemos fazer uma ponte entre a
abordagem geral para feixes e casos concretos; isto vai gerar material
para seminários interessantes para não-categoristas e projetos de
iniciação científica que sejam viáveis no PURO.


%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

\section{Software Livre}
\label{software}

Em 2011 terminei versões novas dos meus dois principais programas de
software livre:

\par \url{http://angg.twu.net/dednat4.html}
\par \url{http://angg.twu.net/dednat5/}
\par \url{http://angg.twu.net/blogme3.html}
\par \url{http://angg.twu.net/blogme4/}

As antigas eram muito difíceis de instalar, de testar em outras
máquinas e de rodar interativamente, as novas são triviais. Além disso
a versão nova do programa de diagramas (Dednat) suporta novos tipos de
diagramas --- Metapost, para diagramas de Cálculo e Geometria
Analítica, e notação do {\sl Begriffsschrift} de Frege --- e tem
alguns módulos (por enquanto protótipos) para interagir com ``proof
assistants''.

O modo ``correto'' de documentar programas como estes é usando algum
formato padrão para a documentação --- por exemplo TeXinfo ou DocBook
--- a partir do qual se possa gerar facilmente HTML, PDFs, arquivos em
``plain text'', etc. A versão nova do Blogme (que gera todos os HTMLs
em \url{http://angg.twu.net/}) agora gera output em TeXinfo também.

Tanto o Dednat5 quanto o Blogme4 são implementados usando um sistema
de orientação a objetos para Lua muito simples e elegante,
desenvolvido em conjunto com Marc Simpson: 

\par \url{http://angg.twu.net/__mt.html#eoo}

Vários dos meus alunos de Matemática Discreta têm se interessado por
Lua, Emacs e por estes programas, mas a internet no PURO funciona
intermitentemente, e quando funciona é muito lenta. Isto faz com que
seja difícil instalar programas e transferir arquivos entre
computadores (pessoais) enquanto estamos dentro do PURO --- e portanto
também fica difícil ensinar como {\sl usar} programas.



%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%%

\section{Administração}
\label{administracao}

Em 2011, além de participar normalmente das reuniões de departamento,
fui um dos membros titulares do colegiado do curso de Ciência da
Computação. Mas a maior parte do meu envolvimento com questões
administrativas tem se dado de outras formas, menos ``formais'', que
vou descrever.

A partir do segundo semeste de 2010 comecei a reparar --- com muito
mais atenção --- em como muitas das soluções que tentamos encontrar
para os problemas do PURO não conseguem ser implementadas. Idéias para
resolver nossos problemas não faltam, mas temos grandes problemas de
comunicação, tanto ``horizontais'', entre os professores, quanto
``verticais'', entre os professores, as direções, a prefeitura de Rio
das Ostras, a reitoria, o MEC, etc; e é comum as pessoas se agarrarem
a algumas ``soluções'' que lhes ocorrem e que lhes parecem óbvias, mas
ao verem que estas soluções não se concretizam rapidamente as pessoas
desistem, e passam para o estado de ``nada adianta''... {\sl O que
  fazer?}

Num sentido, a universidade é um lugar onde alunos, professores e
funcionários realizam certas funções pré-definidas, e os alunos saem
formados como mão-de-obra qualificada. Num outro sentido --- e estes
dois sentidos coexistem --- a universidade é o lugar do pensamento, da
leitura, da escrita, da argumentação e da discussão, e é a principal
depositária de três mil anos de cultura escrita e deve ser uma porta
de acesso para todo este conhecimento.

Na situação atual as nossas tentativas de agirmos como uma
universidade ``no primeiro sentido'' não têm a menor condição de
funcionar bem o suficiente --- mas o segundo sentido de universidade
pode nos salvar! Acreditando nisto comecei a discutir com várias
pessoas a nossa relação com os alunos, o objetivo dos cursos,
qualidade de ensino, o modo como funcionamos em reuniões, democracia
no pólo, como lidamos com sobrecarga de trabalho, apatia, evasão de
professores, etc, sempre produzindo textos e pondo-os no meu site,
principalmente aqui:

\par \url{http://angg.twu.net/2011.1.html#textos}

Em junho de 2011 fui candidato à vice-direção do pólo; a candidata a
titular na minha chapa era a professora Eblin Farage, do curso de
Serviço Social, e nós estruturamos a nossa campanha --- cujo slogan
era ``Transparência e Participação'' --- para que ela tivesse bastante
efeito mesmo que perdêssemos (como aconteceu). Todo o material
relacionado à campanha está disponível aqui:

\par \url{http://angg.twu.net/chapa1.html}




% Se as nossas direções não conseguem fazer o que se espera delas, se
% as nossas reuniões não ajudam as pessoas nem a se informarem nem a
% se entenderem, se as decisões tomadas em reuniões e votações são
% incoerentes, talvez devamos {\sl pensar mais}

% Aumentar a consciência e a participação dos estudantes
% Transparência
% Qualidade de ensino
% Apatia
% Muitos professores desanimados sem conseguirem ver o que se pode fazer







\end{document}

% Local Variables:
% coding:           raw-text-unix
% ee-anchor-format: "«%s»"
% End: