Quick
index
main
eev
maths
blogme
dednat4
littlelangs
PURO
(GAC2,
λ, etc)
(Chapa 1)

emacs
lua
(la)tex
fvwm
tcl
forth
icon
debian
irc
contact

É tudo picuinha de professor (Reginaldo Demarque)

Depois de uma série de eventos envolvendo denúncias de quebra de DE por alguns professores da engenharias, um dos nossos alunos da engenharia escreveu no facebook, entre outras coisas, o seguinte:

"Tá uma palhaçada essas picuinhas entre professores... É uma fofoca daqui, uma possível "denúncia" dali, réplicas e tréplicas. Vou me formar e isso não vai acabar..."

Essa postagem gerou diversos comentários inclusive meus. Ela me incomodou profundamente por diversos motivos.

O primeiro deles, e que foi parte da minha resposta a esse aluno, é que me senti desrespeitado por esse comentário, mesmo acreditando que esta não foi a intenção do aluno. Me senti desrespeitado pois investi 10 anos da minha vida, desde o ingresso no curso de matemática em 2001 até o fim do doutorado em 2011, para me tornar professor universitário e pesquisador, então vem uma pessoa que não conhece nada dos motivos daquelas denúncias estarem sendo feitas para minimizar tudo como "picuinha de professor"? Como já disse, e volto a repetir, acredito que essa não foi a intenção do aluno. Entretanto as pessoas tem que tomar o cuidado de se informar antes de lançar afirmações fortes como estas. Se existe um atrito entre professores da instituição, onde aparecem várias denúncias, e que o motivo desses atritos não está claro o míinimo que as pessoas devem fazer é se perguntar o porquê disso estar acontecendo. Afinal, é de muita estranheza pensar que pessoas vão investir 10 anos de formação, se preparar para um concurso, viver longe de suas famílias em uma cidade do interior com péssimas condições estruturais e sociais, para simplesmente procurar um lugar para criar picuinhas como adolescente de um colégio brigando por quem vai ficar com quem!

O segundo motivo do meu incômodo vem de pensar em tudo que estava envolvido nestes eventos para ser resumido em uma única frase. As denúncias, os rostos virados no corredor, os desconfortos entre os professores tudo isso tem uma razão de estar acontecendo. Durante os meus 10 anos de preparação acadêmica eu não aprendi somente matemática, a universidade me moldou, moldou meu caráter e parte da minha personalidade. Grande parte do que entendo por caráter, honestidade, honra, justiça, diferenças e etc eu aprendi na universidade e ainda aprendo. Boa parte desse aprendizado veio das aulas e da convivência com professores que até hoje são exemplos de integridade para mim! Um professor meu me disse uma vez que não importa o quanto estudemos sobre didática o nosso principal método de dar aulas será imitar aqueles mestres que nós acreditamos serem os melhores mestres das nossas vidas! Isso foi uma das grandes lições que tive na academia pois isso não se aplica somente às aulas, se aplica ao modo como nos comportamos no meio acadêmico também.

Eu acredito na ciência, na universidade como uma instituição de saberes, incorruptível, indelével e o lugar para se discutir e desenvolver ideias que possam tornar o mundo cada vez melhor. Não compartilho do conceito de universidade como fábrica de diplomas que preparam profissionais para o mercado de trabalho. Eu acredito que a universidade forma indivíduos para atuarem na sociedade de uma forma geral, muito além dos mercados de trabalho. Indivíduos capazes de produzir ciência com pensamento crítico podendo inclusive mudar radicalmente o mercado de trabalho se preciso for!

Para mim a universidade é muito mais do que um contra-cheque no fim de cada mês. A universidade é um lugar que gosto de estar, dar aulas, conversar com alunos, colegas e pesquisar. Apesar dos diversos problemas do PURO com falta de água, falta de papel, uma internet banda estreita que demoramos horas para baixar um artigo de 100kb e etc, quem me conhece sabe que estou ali todos os dias, estudando, pesquisando, andando pelos corredores, tomando café e conversando. Estou ali todos os dias pelo ambiente acadêmico, pelo "cheiro do saber" como costuma dizer um saudoso professor que tive o prazer de ter como colega do PURO.

Por esses motivos me indigna quando vejo professores 40 horas DE lecionando em cursos de graduação em outras universidades com o único intuito de acumular salários, quando vejo professores levando suas aulas de qualquer jeito, aproveitando da mediocridade de alguns alunos que estão somente interessados em pegar seus diplomas, para ganhar dinheiro por fora no mercado de trabalho sem nenhum fim acadêmico. Fico indignado quando vejo pessoas usando a universidade somente para tirar proveitos pessoais, manipulando pessoas, usando de cargos administrativos para atingir seus objetivos enquanto temos problemas gravíssimos no PURO. Fico revoltado quando vejo professores ameaçando outros em estágio probatório para que façam vistas grossas às atrocidades que acontecem no PURO hoje.

Quando escolhi a carreira acadêmica me imaginava em meu gabinete pesquisando, atendendo alunos, preparando aulas, assim como meus mestres faziam. Hoje sinto vergonha todos os dias quando entro no container/trailer que divido com 16 outros professores que deveria ser supostamente um gabinete de professor! Sinto vergonha mas não deixo de estar lá pois como disse, estou ali pelo ambiente acadêmico. Fico admirado de ver que alunos, que são atendidos por nós nesses trailers em vistas de provas sendo obrigados a expor a intimidade da suas provas a outros 16 professores, não se importarem com essas coisas e pensarem que devemos ficar calados diante disso sem fazer nada, não nos intrometermos nas vidas dos outros professores pois isso é fazer "picuinha". Professores esses que não se importam com a universidade e que quanto mais sucateada for, quanto menos pesquisa se fizer, melhor para eles pois poderão continuar tocando seus projetos pessoas e cada vez menos aparecer na universidade tornando-se verdadeiros mitos a ponto de existirem professores dispensados de darem aulas por seu departamento, ficando apenas encarregado de lobismo.

Enfim, é toda essa atmosfera pairando sobre o PURO que faz com que sempre apareçam denúncias, anônimas na maioria das vezes por motivos óbvios, e rixas entre professores, pois aqueles que como eu enxergam a universidade como muito mais do que um emprego, como um patrimônio da humanidade, não aceitam o fato de outras pessoas quererem sucateá-la. A única coisa que queremos é que todos, professores, funcionários e alunos, ajam de forma honesta e trabalhem para a construção da universidade e do ambiente acadêmico. Será que isso é pedir demais? Será que isso é mesmo picuinha?

(Isto vai virar uma seção do Saia do seu quadradinho...
  http://angg.twu.net/quadradinho.html
  http://angg.twu.net/quadradinho/quadradinho-a5.pdf
 Veja também:
  http://angg.twu.net/parabens-edwin.html
 Versão preliminar - desculpem a formatação tosca!)