Quick
index
main
eev
maths
blogme
dednat4
littlelangs
PURO
(GAC2,
λ, etc)
(Chapa 1)

emacs
lua
(la)tex
fvwm
tcl
forth
icon
debian
irc
contact

Neil Gaiman

From: Thermidor

J: Monsieur Robespierre...
   Even now it is not too late.
   You can let me go. I will take what I came for and leave France, and
   never bother you again.

J: Remember this: that I offered you one last chance to let the matter die.
R: Mademoiselle, your attempts to threaten me are laughable, and bathetic.

J: Very well, Citizen. This is the head of Orpheus. Ripped from his
   living body by the Bacchante. They used their bare hands.
   The Women of the Frenzy...

J: They threw his head into the Hebrus, and it is said that it still
   called the name of his lost one as it floated down to the sea.
   This is the head of Orpheus, who bested death, and who now cannot die.

R: Do you take us for peasants, Johanna?
   The myths are dead. The gods are dead. The ghosts and ghouls and
   phantoms are dead.
   There is only the State, and the People.

J: No, Monsieur Robespierre.
   There is much more than that.

R: Enough of this nonsense.
   Henri -- bring me that head.

J: (covering her ears:)
   Now. Messire Orpheus.
   Sing to them.

J: (as if narrated afterwards - written in a page of a diary)
   My ears were covered, but I could not entirely obliterate the sound
   the head made, as its began its song. Although I possess a Modicum
   of Greek, the most part of the words it used were unfamiliar to me.
   Still, by what Means or Mechanism I cannot say, I found myself
   deriving some Measure of Sense from its chanting. The head sang
   first of Blood, of the Baying, senseless cries of the Mob; of the
   Anger of Women and Men; of the Worm that devours its own Flesh.

J: (again, as in a page of diary, not in a balloon)
   Then it sang of Freedom, of Liberty of Love. And as it sang, I
   gasped in dumbfoundment, for other voices were also raised in
   jagged Unison. Discordant Voices, Harsh Voices, the Voices of the
   Dead; and my friend (for so I now bethought him) no longer sang
   Alone.

J: (again, as in a page of diary, not in a balloon)
   The Ghastly Chorus sang of those who lead; of those who, by Virtue
   or Circumstance, are Raised above the Crowd; who manipulate the
   commonality will-they or nil-they, as a Puppet-master tugs on the
   Strings of a Marionette, or a Romany Traveller pulls the leash of
   his Dancing Bear. It sang of a dream -- and of the Ending of the
   Dream.

J: (again, as in a page of diary, not in a balloon)
   I am not able to conceive what it must have been like to hear that
   song unprotected. M. St. J___ and M. R___, and their Monservant,
   stood and listened like Statues, like Men Entranced.

J: (again, as in a page of diary, not in a balloon)
   After what seemed an Age, the Song ceased; and still they stood
   there.

J: (again, as in a page of diary, not in a balloon)
   And taking what I had come for, I left that Place.

J: (ballon; knocking down a guard with a punch on the back of the
   head:)
   My apologies, sir.

  [Johanna Constantine left Paris shortly after dawn on that day, 8th
   Thermidor, Year II.]

  [On the 9th Thermidor, Louis-Antoine St.-Just, the great orator,
   faltered during his speech before the commonal convention, and fell
   silent.]

  [Maximilien Robespierre, the most powerful man in France, then
   attempted to speak. Until that point he had been listened to with
   awe, or fear, or silence.]
  [Now, for the first time, he found himself laughed at, and, also for
   the first time, he was lost for words.]

  [That night he and his faction were deposed and arrested, and during
   the arrest Robespierre wasshot in the jaw. Or perhaps he fumbled a
   suicide attempt. The truth here is a matter of conjecture.]

  [It is, however, a matter or record that the next day, his shattered
   jaw bound by a paper bandage, he watched St.-Just step up,
   silently, to the guillotine.]

  [And it is also a matter of record that, in the end, Monsieur
   Sanson, the executioner, ripped off the paper bandage that held his
   jaw together.]

  [And that Robespierre's final wordless scream of pain was cut off,
   with his head, by the fall of the weighted blade.]
  [The Terror died with him.]




From: Orpheus

P: Thou hast made the Furies weep, Orpheus. This is unheard of.
H: A nice offer, but pointless. Thou does not belong here, mortal.

O: Give me my bride and I will leave this place.

P: Thou hast made the Furies cry, Orpheus. They will never forgive you
   for that.

H: Thou art disrupting my perfectly-ordered world, Orpheus.
   So be it. But there are conditions. There are rules.
   There are always rules.




From: Ramadan

C: Look around you, Dream King.
   What do you see?

S: I see a remarkable place.
C: Indeed -- it is a land of miracles.

C: Will you buy it from me?

S: I have no desire to be king of any mortal land.

C: No...
   You misunderstand me.

C: This is the greatest city that Allah, may he be praised from the
   rising of the sun in the morning to the setting of the sun in the
   evening, and also in th nighttime, and in the hours before dawn,
   has seen fit with which to bless the world.
   And this is the perfect age.

S: So?

C: How long can it last? How long will people remember?

C: I have seen the world, Dream King.

C: I have ridden throught the deserts, and seen the rocks and old
   walls and statues breathed up by the desert wind in the empty
   wasted of sand;

C: "and then the wind and the sand come up once more and the remnants
   of cities and palaces and gods vanish for another age of man,
   forgotten and unremembered..."

C: This is as good as it's going to be, isn't it?
S: It may be so...

C: ...but Allah alone knows all. Indeed.

C: I am Haroun Ibn Mohammed Ibn Ali Ben Abdullah Ibn Abbas, Caliph of
   Baghdad. I propose to give you this city. My city. I submit that
   you purchase it from me: take it into dreams.

S: And in exchange?

C: In exchange I want it never to die. To live forever. Can you do
   this thing?

S: After a fashion, I can.

C: And what needs to happen to make it so? Is there some spell you
   must perform? Is there a quest I must go on, to some far country?
   Is there some grand deed?
S: No.

S: All you need to do is tell your people. They follow you, after all.
   And yours is the dream.

C: Very well.

C: Hear me, my people! I, your Caliph, Haroun Al Raschid, of the
   Hashimi bloodline, proclaim on this day, in this place, that I have
   given the Golden Age of Baghdad, of Araby, to this one who stands
   by my side.

C: It is his forever...

C: ...providing that as long as mankind lasts...

C: ...our world is not forgotten.




B: But what happened to Haround Al Raschid? Or to the old city of
   Baghdad? Or to...

E: Hold, little one. Do you have another coin?
B: ...no.
E: Any more cigarettes?
B: No.

E: Then I think I have spoken enough for today. If you are here
   tomorrow, then pehaps I will tell you more.
   Go home, boy. These are bad times, and your mother will be
   worrying.

B: But how did it work? The bargain? How could the city last?

E: Go home.

 [His question unanswered, Hassan stumbler homeward, picking his way
  in a series or child's shortcuts across the bomb sites and the
  rubble of Baghdad.]

 [And, though his stomach hurts (for fasting is easy, this Ramadan,
  and food is hard to come by) his head is held high and his eyes are
  bright.]

 [For behind his eyes are towers and jewels and Djinn, carpets and
  rings and wild afreets, kings and princes and cities of brass.]

 [And he prays as he walks (cursing his one weak leg the while), prays
  to Allah (who made all things) that somewhere, in the darkness of
  dreams, abides the other Baghdad (that can never die), and the other
  egg of the phoenix.]

 [But Allah alone knows all.]




From: Um sonho de mil gatos (A Dream of a Thousand Cats)

OG: Tsss! É hoje!
GP: O quê?
OG: Ela está aqui. Você vem? Deve ser divertido.

GP: Não sei como sair. Não posso atravessar nenhuma das aberturas na
    parede.

OG: Lá em cima tem um buraco meio aberto. Você pode sair por ele.

OG: Mexa essa cauda, pequenina. Não podemos perder essa.

OG: Ohh! Está sentindo isso, criança? É o chamado da noite!
    Corra, corra!

GP: Espere por mim. Espere por mim, por favor!

GP: Como será que ela é?
OG: Quem sabe? Não é um gato comum.

TG: Bem-vindos, andarilhos da noite.
GP: Olá. Estamos indo vê-la.

TG: Eu também, embora não acredite muito nela...
OG: Então por que está aqui?
TG: Hummpf. Curiosidade, talvez.

GP: Eu quero saber o que ela tem a dizer.

OG: Todos nós queremos, jovem. Todos nós.

GA: Irmãs... Irmãos... Boa caçada.
    Obrigada por virem me escutar; por sua disposição em ouvir minha
    mensagem.
    E espero que quando eu terminar, alguns de vocês possam
    compartilhar de meu sonho.

GA: Nem sempre fui como vocês me vêem hoje.
    Um dia, muitos ontens atrás, eu, e muitos de vocês, servíamos aos
    seres humanos, vivendo no mundo deles: diversão, posse e
    brinquedo.

GA: Eu me iludia... como talvez, muitos de vocês se iludem... que
    tinha controle de minha vida.
    Afinal, eles me alimentavam... me davam conforto e calor.

GA: E o que eu dava em troca? Alguma afeição, talvez. Minha presença.
    Na verdade, era pouco pelo que eles ofereciam.

GA: Ele era um gato de rua.

GA: Orelha rasgada.
    Olhos negros.
    Era minha época de amar. Ele foi o meu escolhido.

GA: Nosso prazer um pelo outro, e a consumação de nossa fome mútua,
    foi urrada aos céus, e gritada aos arcos do firmamento.

GA: Ele era forte e rápido. Suas garras e dentes eram afiados como o
    inverno.
    Nunca o vi outra vez. Mas jamais o esqueci.

GA: No tempo certo, nosso prazer trouxe frutos, uma maravilhosa
    combinação dos traços de nós dois.
    Eu antecipava o entusiasmo de como os ensinaria sobre a vida...
    Os prazeres de se lavar, de caçar, de sobreviver.
    Eles me sussurravam sua felicidade: por tomar carne de minha
    linhagem, provar o ar e o leite. Eles murmuravam sua crença no
    futuro.

GA: Meus humanos, entretanto, não compartilhavam de nossa alegria.
H:  Você sabia que ela estava no cio! Droga! Por que não a prendeu?
M:  Pare de reclamar, Paul! Eles não são uma gracinha?

H:  Gracinha? Ela é uma Siamês "Blue Point" legítima.
    Estas bolinhas de pêlo não valem porcaria nenhuma.

GF: miip.

GA: Eu os senti de longe, na escuridão, enquanto a água fria os
    levava...
    Eu os senti se debaterem e arranharem cegamente... me chamando, em
    seu pânico e medo.

GA: E então eles se foram.

GA: Foi só então que descobri o quanto estava enganada. Que éramos
    subordinados. E, enquanto vivêssemos com os humanos, não
    poderíamos nos considerar livres.
    E eu rezei.

H:  Pelo amor de Deus, Marion! Ela nem sabe o que aconteceu... Olha
    só! Ela deve estar até aliviada!
    A coitada é quase um filhote ainda. Ela não ia aguentar...
M:  Você tem razão, Paul. Mas, mesmo assim, eu me sinto... meio
    culpada.

GA: Rezei para a escuridão. Para a noite.
    Rezei para o Rei dos Gatos, o emissário da raça na Terra, aquele
    que anda entre nós e não o conhecemos.
    Eu rezei...

GA: E sonhei.

A:  Por que se aventurou até o coração do Sonhar, pequena gata?
    Não há nada aqui para você.

GA: Vim em busca de justiça; vim pela revelação; vim pela sabedoria.

GA: O pássaro voou mais baixo. Mas não ao meu alcance.
    "Justiça?", ele repetiu. "Justiça é uma ilusão que você não
    encontrará nesta ou em qualquer outra esfera."
    "Sabedoria?" Ela não faz parte do Sonhar, ágil andarilha, embora
    os sonhos sejam uma parcela das experiências de cada vida, que é a
    nica sabedoria que importa.

A:  Mas revelação?
    Esta é a província do sonho.
    Ela pode ser sua... mas apenas se seu coração for forte.

A:  Vê aquela montanha? Lá existe uma caverna onde vive o misterioso
    Gato dos Sonhos, o regente desse mundo adormecido.
    Procure-o. Mas cuidade. O caminho até a caverna é difícil. E muito
    pode acontecer a uma pequena gata.

GA: Todos os lugares são iguais para mim. Encontrarei a caverna e
    minhas respostas.
    Não tenho medo.

A:  Então boa sorte, filha.

[Deixei o deserto de ossos e comecei a longa jornada para o lar do
gato dos sonhos.]

[Atravessei a floresta dos fantasmas, onde os mortos e perdidos
sussurravam continuamente, prometendo-me mundos se eu parasse para
brincar com eles.
Fechei meus ouvidos às suas lamúrias.]

[Num certo momento pensei ter ouvido meus filhos me chamando, mas
ergui minha cauda e continuei em frente.]

[Caminhei através de lugares frios e gelados, onde cada passo era dor,
cada movimento, um tormento.
Mas eu continuei.]

[Cruzei a umidade que amorteceu minhas patas e encharcou meu pêlo,
tentando lavar minhas memórias.]

[Atravessei a escuridão e o vácuo, onde tudo o que faz de mim o que
sou me foi sugado.
Mas mesmo no vazio do puro nada, sem saber mais por que estava andando
ou o que buscava, eu continuei em frente.]

[Então, depois de algum tempo, saí daquele lugar e meu ser voltou a
mim: eu estava na montanha do Gato dos Sonhos.]

[Vi a caverna e seus guardiões e disse a eles, "vim para falar com o
Gato dos Sonhos".]

GR: Por que deixaríamos você entrar, pequeninha?
    Uma pequena bocada, e a maioria pele e osso.

CA: Por que o Senhor dos Sonhos deveria ser perturbado por alguém como
    você?

GR: E então? Responda.
    O Senhos dos Sonhos ficará furioso se for molestado sem um bom
    motivo.

GA: Vim de muito longe para voltar agora, Grifo.
    Anunciarei minhas intenções ao Senhor dos Sonhos, e somente a ele.
    Sou uma gata, e mantenho meu intento.

DR: Entre, enão, gatinha.
    Mas esteja prevenida: sonhos têm seu preço.

[E assim, eu prossegui.]

[O aroma no ar era estranho, mas ainda era felino.
Cada sentido meu gritava para que eu fugisse dali, mas, com o pêlo
eriçado e as garras preparadas, caminhei vagarosamente para dentro.
E então parei diante dele.]

GA: Estou aqui.

GS: E quem seria você?

GA: Uma gata. Uma andarilha noturna. Um corvo morto me mandou aqui, em
    busca de revelaçãoa

[Tentei parecer confiante, mas, na verdade, estava apavorada.]

GS: Venha comigo, então, pequena irmã, e diga porque me procurou.

GA: Eu... eu quero entender.
    Por que eles puderam tirar os meus filhos de mim? Por que vivemos
    dessa forma? Eu não compreendo.

GS: Dizem que apenas um Rei pode olhar um gato de frente.
    Olhe dentro dos meus olhos, pequena irmã.
    Olhe dentro dos meus olhos.

[E assim ele me mostrou a verdade, exatamente como estou contando-a a
vocês agora.]

[Naqueles olhos eu vi imagens. E nas imagens eu vi a verdade.]

GS: Todos os gatos podem ver futuros e ecos do passado. Podemos
    assistir à passagem de criaturas da infinitude do agora, de todos
    os mundos fracionalmente diferentes do nosso.
    Nós seguimos coisas espectrais com os olhos. E os humanos nada
    vêem.

[Mas a realidade que o Gato dos Sonhos me mostrou transcendia tudo que
eu já imaginara.]

[Muitas estações atrás, os gatos governavam o mundo.]

[Éramos maiores então, e este mundo foi criado para nosso prazer. Nós
andávamos à vontade, tomando o que queríamos.]

[Naquela época, os humanos eram criaturas pequenas, menores do que
somos hoje.]

[Os humanos nos tratavam, nos alimentavam e nos acariciavam.]

[E, quando a lua ficava cheia, nós os perseguíamos e comíamos alguns
deles. Mas preferíamos a caça...]

[...pois eles eram presas mais deliciosas que os pássaros; e, naqueles
tempos, os ratos eram pequenos e insignificantes demais para o nosso
prazer.]

[Ah! Dias alegres aqueles... caçar sob a Lua dos Gatos. O Jogo do Gato
e do Homem...]

[Prrrrrr.]

[Então, um humano surgiu entre eles. Um macho de pêlos dourados.
Nascido e criado nos jardins idílicos de uma das damas felinas
sibaritas.]

[O humano teve um sonho, uma ispiração. Ele caminhou entre seus
semelhantes e disse...]

H:  Sonhem! Sonhos moldam o mundo.
    Sonhos recriam o mundo, todas as noites.

H:  Não sonhem o mundo como ele é agora, dominado por nossos senhores
    felinos.
    Sonhem um novo mundo. Sonhem um mundo de seres humanos. Sonhem um
    mundo em que nós somos os senhores, em que nós somos os reis e
    rainhas e os deuses.
    Sonhem um mundo no qual não mais seremos caçados e mortos por
    gatos.

H:  Não sei quantos humanos serão precisos, mas temos que fazer isso!
    Muitos de nós sonharemos, então acontecerá.
    Sonhos moldam o mundo.

[E a Palavra se espalhou entre os humanos.
E alguns deles acreditaram e sonharam.
E, por algum tempo, nada aconteceu.]

[Uma noite, porém, o bastante deles sonhou. Não foram precisos muitos.
Mil, talvez. Não mais.
Eles sonharam...]

[E, no dia seguinte, as coisas mudaram.]

[Os humanos ficaram enormes, tornaram-se a espécie dominante; e os
gatos, presas deles, dos cães, e de suas máquinas de metal.
Presas para o mundo que os humanos criaram.]

[Tudo isso eu vi quando olhei dentro do olhos do Gato dos Sonhos.]

GA: Então, eles sonharam o mundo como ele é hoje?
GS: Não exatamente.

GS: Eles sonharam o mundo da forma que ele sempre foi, pequenina.
    Nunca houve um mundo de damas-gatos e lordes-gatos.
    Eles mudaram o Universo desde o início de tudo, até o final dos
    tempos.

GS: Você compreende agora?
GA: Sim.
    Sim, entendo.

GS: Então você já sabe qual será sua tarefa. Sabe o fardo que deverá
    carregar.
    Você é forte o bastante?
GA: Sim. Espero que sim.

GS: Então desperte, criança. Com minha bênção.



GA: Entendam: eu vi o outro lado do que ele me havia dado.

GA: Se eles puderam sonhar...

GA: Nós também podemos trazer as coisas de volta . Se acreditarmos. Se
    sonharmos.

GA: Dizem que nós somos os sonhos da raça carniceira... e talvez seja
    verdade.
    Mas, se o bastante de nós sonhar...
    Se apenas mil de nós sonharmos...

GA: ...poderemos mudar o mundo.

GA: Nós podemos sonhá-lo de novo! Um mundo em que ninguém sofrerá com
    a malícia humana, no qual nenhum gato será morto pelo capricho dos
    homens.
    Um mundo em que nós mandaremos.

GA: Deixei os humanos naquele mesmo dia para espalhar as boas novas.

GA: E agora eu viajo de um lugar a outro.
    Andei léguas sem medida. Passei fome, às vezes; fui ferida. Mas
    prossegui minha caminhada.
    Numa máquina de metal, eu cruzei as águas frias.

GA: Levei a Palavra a gatos solitários e ferozes em lugares isolados.

GA: Gritei às estrelas minha mensagem do alto de telhados e a
    sussurrei aos gatos moribundos nos becos.

GA: Contei isso tudo a muitos gatos. E, aonde quer que eu vá, minha
    mensagem é a mesma...
    Sonhem!

GA: Sonhem o mundo. Não esta sombra pálida da realidade. Sonhem o
    mundo como ele realmente é.
    Um mundo em que todos os gatos são reis e rainhas da criação.
    Esta é minha mensagem.

GA: Eu continuarei andando, e repetindo-a, até morrer.
    Ou até que mil gatos ouçam minhas palavras, e acreditem nelas, e
    sonhem...

GA: ...para voltarmos ao paraíso.





Thermidor: http://en.wikipedia.org/wiki/The_Sandman:_Fables_and_Reflections
Orpheus:   http://en.wikipedia.org/wiki/The_Sandman:_Fables_and_Reflections
Radaman:   http://en.wikipedia.org/wiki/The_Sandman:_Fables_and_Reflections
Cats:      http://en.wikipedia.org/wiki/The_Sandman:_Dream_Country

           http://www.arschkrebs.de/sandman/fables.shtml
           http://www.arschkrebs.de/sandman/dream_country.shtml

Thermidor: http://www.arschkrebs.de/sandman/annotations/sandman.29.shtml
Orpheus:   http://www.arschkrebs.de/sandman/annotations/sandman-special.01.shtml
Radaman:   http://www.arschkrebs.de/sandman/annotations/sandman.50.shtml
Cats:      http://www.arschkrebs.de/sandman/annotations/sandman.18.shtml

  http://www.satt.org/comic/02_10_faery_1.html
  http://www.satt.org/grafiken2/faery-appendix-II-7.gif
  http://www.satt.org/grafiken2/faery-appendix-II-8.gif

  http://www.amazon.com/Sandman-Vol-Dream-Country/dp/156389016X
  http://www.amazon.com/Fables-Reflections-Sandman-Book-6/dp/1563891069/