Quick
index
main
eev
maths
blogme
dednat4
littlelangs
PURO
(GAC2,
λ, etc)
(Chapa 1)

emacs
lua
(la)tex
fvwm
tcl
forth
icon
debian
irc
contact

Em Demanda do Prestes João

Vindo da Ásia em demanda do Prestes João, Pero da Covilhã desembarcou nas costas da Abissínia e dirigiu-se para os planaltos desérticos do interior do continente. Encontrou-se certo dia frente a um tenebroso deserto vermelho, além do qual alguém lhe segredara encontrar-se o maravilhoso país do padre-rei. Na última aldeia antes do indizível deserto o viajante inquiriu acerca do reino que buscava, ao que um homem cor de cinza e de impressionante magreza respondeu:

- Para além do deserto vermelho tudo há e nada há, ninguém lá vive e vive também o rei que tão ansiosamente buscas. O mundo, suportado por um camelo de sete cabeças de serpente e cauda de leão acaba e não acaba no deserto vermelho. O deserto é imensamente grande e cabe na tua mão, e lá estão as maiores riquezas e a mais miserável das mortes. Do outro lado estão camponeses miseráveis e reis poderosos, homens vivos e homens mortos, o dia e a noite, a chuva e a seca, está Portugal e o seu rei, estás tu e estou eu.

E Pero da Covilhã aventurou-se no deserto vermelho. Caminhou três noites com a estrela polar sempre nas suas costas. O calor era tal que mesmo os camelos precisavam de descansar à sombra das tendas durante o dia. E no terceiro dia os homens enconraram um aprazível oásis onde repousaram e comeram os pequenos frutos que cresciam nas árvores centenárias.

Retomaram o caminho. Passados outros três dias reconheceram outro oásis como o primeiro, ou o mesmo. Um pouco inquietos recomeçaram a marcha, e desta vez mantiveram-se rigorosamente na direcção do sul. No terceiro dia de caminho reconheceram sem engano as marcas da sua passagem num outro oásis, igual ou o mesmo que os dois anteriores, e localizado a nove dias de marcha para o sul da última povoação do sul da Abissínia, à entrada do deserto vermelho. Atemorizados e cansados os homens impuseram ao embaixador do rei de Portugal que retomassem para o norte e que procurassem caminho mais acessível. Caminhando para norte, duas vezes reencontraram aquele oásis perdido na imensidão de areia vermelha. No nono dia de caminho, pensando reencontrar terras mais férteis e a saída do terrível deserto enconraram-se novamente junto àquela pequena fonte de água que os inquietava, embora os restaurasse do calor, que como um líquido infernal torturava o deserto e os homens.

Pero da Covilhã decidiu buscar a saída do deserto a oeste enquanto os homens davam mostras de rebeldia devido ao medo e à superstição. Muitos dias seguiram para oeste quando enlouquecidos pela sede, prestando-se a abrir as veias para sorver o próprio sangue, os viajantes tiveram a fortuna de encontrar o mesmo e fatídico oásis, onderam beberam e se banharam.

O cristão novo que seguia com Pero da Covilhã aconselhou-o:

- Têm razão aqueles que supõem um abismo povoado de monstros onde o mundo se acaba. O nosso abismo é um labirinto circular e ilimitado, que serve de limite ao mundo, e o nosso monstro o calor impiedoso. Leva a notícia a el-rei D. João, que muito perto ficam os confins do mundo, embora a terra não tenha limites.

E acrescentou:

- A solução do enigma que tanto nos angustia é numérica, pois nada faz Deus em vão.

Durante mais dois dias o cristão novo estudou um livro secreto e fez contas com algarismos arábicos e, na terceira manhã, apresentou a solução. Indicou a Pero da Covilhã exactamente quantos dias teriam de andar e em que direcções, quantas vezes reencontrariam o oásis e quais as vezes em que teriam de passar ao largo e evitá-lo, vencendo a tentação. Assim fizeram, e depressa reencontraram as terras mais férteis do norte.



Diogo Falcão
"O Canhão e o Órgão"
Editora Vega (?)
pp.85--87