Quick
index
main
eev
maths
blogme
dednat4
littlelangs
PURO
(GAC2,
λ, etc)
(Chapa 1)

emacs
lua
(la)tex
fvwm
tcl
forth
icon
debian
irc
contact

Notas sobre carioquês

(2016aug22)

Notas sobre porque eu quase não puxo papo com cariocas, principalmente cariocas héteros. A linguagem está toda contaminada - tem um texto sobre isso no rrj (no 3, é o de 23/nov/2006). "Sair com" quer dizer "trepar com", "dormir com" quer dizer "trepar com", "ter interesse por [pessoa]" quer dizer "estar sexualmente interessado na [pessoa]". Quem ignora possíveis duplos sentidos sexuais em frases ou possíveis segundas intenções sexuais é visto como ingênuo. Há uma obrigação de concisão: quando você concatena 5 pensamentos em sequência as pessoas te dizem "ih, o cara, aí, não complica, relaxa!". Se eu me aproximar de alguém a pessoa vai interpretar isso como um "vamos nos comer e nos descartar" ou um "quero pôr o seu nome na lista das pessoas que eu já peguei".

Quando a gente lê um livro passado numa vila numa ilhota do Japão em 1950 a gente não espera que os personagens se comportem com malícia carioca e chamem os outros de otários pelas mesmas coisas que aqui. Como a gente pode se comunicar com alguém no Rio de Janeiro com outros valores e numa linguagem em que as conotações de cada palavra não sejam as do carioquês? É Difícil, leva meses, quando dá.

Eu já tentei explicar que a minha necessidade de relações de confiança era tão grande que eu aprendi a ver a minha necessidade de sexo como algo muito secundário, mero ruído (FM, seções 15 e 16) - mas em carioquês o termo "confiança" também está contaminado, ele quer dizer "entre quatro paredes nós vamos agir um com o outro como animais descontrolados e tudo o que nós fizermos um com o outro vai ser segredo" (SCR, seção 3.7) ou algo como lealdade entre mafiosos (FM, seção 28).


(Links: gênero, Rape Recovery Journal, Falta Misandria no Movimento Trans)